O DASEIN COMO INTERPRETAÇÃO DO SER COMO NEGATIVO - Uma leitura deleuziana de Heidegger

Elemar Kleber Favreto

Resumo


O presente artigo discorre sobre a crítica deleuziana ao conceito heideggeriano de Dasein, por três principais acepções: 1) o Dasein como dobra ontológica, que o toma como consciência temporalizada que se vê perante a questão do Ser; 2) o Dasein como ser-para-a-morte, que postula a morte como findar, como fim da pre-sença, ou como finalidade do Dasein no tempo; e, 3) o Dasein como ser-com, que formaria uma compreensão pré-ontológica do Ser, onde o “senso comum” ainda povoaria a própria compreensão de mundo do homem. Este trabalho está centrado em uma pesquisa essencialmente bibliográfica, que tenta abordar os conceitos heideggerianos que estão em jogo na sua ontologia fenomenológica de Ser e Tempo, de modo que, a partir desses conceitos, seja possível buscar referenciais na obra deleuziana que mostrem as contribuições de Heidegger para a consolidação da filosofia da diferença, mas também que apontem possibilidades de superação de suas dificuldades teóricas acerca dessa compreensão do Ser como Diferença.

Palavras-chave


Ontologia

Texto completo:

PDF

Referências


ALLIEZ, Éric. Gilles Deleuze: uma vida filosófica. Coordenação da tradução de Ana Lúcia de Oliveira. São Paulo: Editora 34, 2000. (Coleção TRANS).

BADIOU, Alain. Deleuze: o clamor do ser. Trad. Lucy Magalhães. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

CRAIA, Eládio C. P. A problemática ontológica em Gilles Deleuze. Cascavel: EDUNIOESTE, 2002.

DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. Trad. Luiz Orlandi, Roberto Machado. 2. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2006.

_____. Différence et répétition. 1. ed. 1969, 11. ed. 2003. Paris: Presses Universitaires de France (puf), 2003. (Collection ÉPIMÉTHÉE).

_____. Foucault. Trad. Claudia Sant’Anna Martins. 1. ed. São Paulo: Brasiliense, 1988.

_____. Lógica do sentido. Trad. Luiz Roberto Salinas. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 1998.

_____. Logique du sens. 1. ed. 1969. Paris: Les Éditions de Minuit, 2002. (Collection “Critique”).

_____, e GUATTARI, Félix. Mil platôs – capitalismo e esquizofrenia, vol. 1. Trad. Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995. (Coleção TRANS).

FAVRETO, Elemar Kleber. Deleuze e a univocidade do Ser - Um novo agenciamento para uma filosofia da diferença. Toledo: [s.n.], 2007. (Dissertação de mestrado – Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE, Programa de Pós-Graduação em Filosofia, Centro de Ciências Humanas e Sociais).

GUALANDI, Alberto. Deleuze. Trad. Danielle Ortiz Blanchard. São Paulo: Estação Liberdade, 2003.

HEIDEGGER, Martim. Ensaios e conferências. Trad. Emmanuel Carneiro Leão, Gilvan Fogel e Márcia Sá Cavalcante Schuback. Petrópolis: 2001.

_____. Ser e tempo. Trad. Márcia se Sá Cavalcante. Petrópolis: Vozes, 1993. Vol. I.

_____. Ser e tempo. Trad. Márcia de Sá Cavalcante. Petrópolis: Vozes, 2002. Vol. II.

MACHADO, Roberto. Deleuze e a filosofia. Rio de Janeiro: Graal, 1990.

MICHELAZZO, José Carlos. Do um como princípio ao dois como unidade: Heidegger e a reconstrução ontológica do real. São Paulo: FAPESP e Annablume, 1999.

PARDO, Jose Luis. Deleuze: violentar el pensamiento. Bogotá: Editorial Cincel Kapelusz, 1992. (Série Historia de la filosofia).

PELIZZOLI, Luiz Marcelo. O Eu e a diferença: Husserl e Heidegger. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002. (Coleção Filosofia; 150).

ZOURABICHVILI, François. O vocabulário de Deleuze. Trad. André Telles. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2004. (Conexões; 24).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.