REINVENTAR A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DA AMAZÔNIA: UM OLHAR SOBRE A AMAZÔNIA A PARTIR DA TEORIA CRÍTICA

Alexsandro Melo Medeiros

Resumo


Este artigo pretende fazer uma análise sobre a realidade complexa da Amazônia tomando como referência os aportes teóricos da Teoria Crítica e, mais precisamente, utilizando os conceitos de emancipação e razão instrumental e de como é necessário pensar uma emancipação possível que faça frente às consequências do uso instrumental da razão, tal como entendem Adorno e Horkheimer com a publicação da obra Dialética do Esclarecimento. Neste artigo pretendo demonstrar como a razão instrumental, aliada ao uso da técnica e da ciência como forma de dominação e exploração também fez sentir os seus efeitos na Amazônia e, por conseguinte, a necessidade de repensar o modo como nos relacionamos com a natureza orientada para uma ideia de emancipação que deve ser simultaneamente social, política, econômica e epistemológica. Uma emancipação que nos ajude a pensar uma forma racional de utilização da natureza e do que nela é produzido mas sem esgotar seu potencial biológico e sua biodiversidade, sem desnudar a Natureza e romper com seu equilíbrio ecológico

Palavras-chave


Razão Instrumental. Emancipação. Amazônia. Natureza.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor W. e HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Tradução: Guido Antônio de Almeida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1985.

BATISTA, Djalma. O Complexo da Amazônia. 2 ed. Manaus: Editora Valer, 2007.

CAPRA, Fritjof. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. Tradução de Newton Roberval Eichemberg. 14. ed. São Paulo: CULTRIX, 1997.

CUNHA, Euclides da. À margem da História. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FREITAG, Bárbara. A Teoria Crítica ontem e hoje. São Paulo: Brasiliense, 1991.

GONDIM, Neide. Invenção da Amazônia. Manaus: Ed. Valer, 2007.

HORKHEIMER, Max. Teoria Tradicional e Teoria Crítica. In: BENJAMIN, Walter [et al.]. Textos Escolhidos. São Paulo: Abril Cultural, 1975. (Coleção Os Pensadores).

LEFF, Henrique. Epistemologia Ambiental. Tradução de Sandra Valenzuela. 4. ed. revista. São Paulo: Cortez, 2007.

LEOPOLDO E SILVA, Franklin. Conhecimento e Razão Instrumental. Psicologia USP, São Paulo, vol. 8, n. 1, 1997. Disponível em: . Acessado em 04/10/2016.

LIMA, Aluísio Ferreira de. Sobre a crítica de Jürgen Habermas ao projeto frankfurtiano: separação epistemológica ou continuidade de uma tradição? Revista Estudos e Pesquisas em Psicologia, vol. 11, n. 1, p. 181-196, 2011. Disponível em: . Acesso em 23/11/2016.

MARTINS, Daniel Felipe Victor; FELL, André Felipe de Albuquerque; FELL, Nilke Pizziolo. Uma leitura crítica da técnica e da tecnologia: da razão instrumental à tecnoética. Navus - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, SC, v. 3, n. 1, p. 31-35, jan/jun. 2013. Disponível em: . Acesso em 02/01/2017.

MELO, Rúrion. Teoria Crítica e os sentidos da emancipação. Caderno CRH, Salvador, v. 24, n. 62, p. 249-262, maio/ago., 2011. Disponível em: . Acesso em 02/10/2016.

MORIN, Edgard. Ciência com consciência. 8. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

NOBRE, Marcos. A Teoria Crítica. 3. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2004.

PELIZZOLI, Marcelo. O ethos da bioética e a existência do outro. Perspectiva Filosófica, vol. 1, n. 23, jan-jun/2005, p. 17-33.

POSTONE, M. Time, labor and social domination: a reinterpretation of Marx’s critical theory. Cambridge, 1993.

SALAZAR, Admilton Pinheiro. Amazônia: Globalização e Sustentabilidade. 2. ed. Manaus: Valer Editora, 2006.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Renovar a Teoria Crítica. E reinventar a emancipação social. São Paulo: Boitempo, 2007.

SILVA, Vital Ataíde da. Adorno e Horkheimer: a Teoria Crítica como objeto de emancipação. Dissertação (Mestrado em Filosofia). Programa de Pós-Graduação do Departamento de Filosofia. Universidade Federal da Bahia: Salvador-BA, 2007.

SILVA, Luiz Etevaldo. O sentido e o significado sociológico de emancipação. Revista e-Curriculum, São Paulo, n.11, v.03, p. 751-765, set./dez. 2013. Disponível em: . Acesso em 22/11/2016.

TANAKA, Heiji. A razão redentora: a Escola de Frankfurt. Akropolis, 9 (2), p. 69-82, abr/jun, 2001. Disponível em:

. Acessado em 02/01/2017.

WIGGERSHAUS, Rolf. A Escola de Frankfurt: história, desenvolvimento teórico, significação política. Rio de Janeiro: DIFEL, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.