(Por Nenhum) Decreto

Marcus Vinicius Xavier de Oliveira

Resumo


O presente texto que toma a forma de ensaio, foi elaborado por ocasião do evento organizados pelos Grupo de Pesquisa em Teoria Política Contemporânea, Ética, Estética e Filosofia da Literatura e de Estudos Literários, intitulado “Interlocuções entre Literatura, Filosofia e Direito”, ocorrido entre os dias 06 e 08 de dezembro de 2016, na Universidade Federal de Rondônia. O objetivo do ensaio é a de demonstrar, desde uma leitura transdisciplinar do poema de Paulo Leminski “Bem no Fundo”, que a pretensa luta da sociedade em geral, e dos movimentos sociais em particular, por uma regulação o mais abrangente, minudente e muitas vezes particularizada dos mais variados aspectos da vida humana – juridicização da vida – é, de fato, uma armadilha que nós mesmos temos armado em detrimento de nossas liberdades, autonomias e potencias de viver. Quando esta juridicização se encontra com aquilo que se tem denominado de judicialização da vida e da política, o caminho para o domínio totalitário encontra-se, por assim dizer, perfeitamente pavimentado. Logo, não haverá mais vida, mas somente Lei e Sentenças, e com elas os respectivos “probleminhas”. Portanto, o ensaio pretende, também, ser um sinal de alerta e demarcador da necessidade de renovarmos a luta, democraticamente fundamentada, pela autonomia moral e política, pela indiferença à diferença e pela conservação de nossas liberdades na forma de uma potência de sim ou de não.


Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Lo que queda de Auschwitz: el archivo y el testigo. Homo Sacer

III. Trad. Antonio Gimeno Cuspinera. Madri: Pre-Textos, 2005.

______. La potencia del persamiento. Trad. de Flavia Costa e Edgardo Castro. Buenos

Aires: Adriana Hidalgo, 2007.

______. Bartleby, or On Contingency. In: HELLER-ROAZEN, Daniel (org.). Potenciali-

ties. Stanford: Stanford University Press, 1999, pp. 243-303.

ARENT, Hannah. Homens em tempos sombrios. Trad. Desise Bottman, São Paulo:

Companhia das Letras, 2008.

BARROS, Manoel de. Concerto a céu aberto para solos de ave. Rio de Janeiro: Civiliza-

ção Brasileira, 1998.

______. Memórias inventadas: As infâncias de Manoel de Barros, São Paulo: Planeta,

BRECHT, Bertolt. Antologia: Poemas 1913-1956. Tradução e posfácio de Paulo Cesar

Sousa. Rio de Janeiro: Brasiliense, 1986.

COELHO, Lauro Machado. Anna, a Voz da Rússia: vida e obra de Anna Akhmátova.

São Paulo: Algol, 2008.

DE OLIVEIRA, Marcus Vinícius Xavier. Guerra ao terror: da biopolítica à bioguerra,

Porto Alegre: Fi, 2014.

______. Sobre muros e pessoas: a política do exílio desde uma espiadela n’”A Constru-

ção da Grande Muralha da China”, de Kafka. Um ensaio. Clareira: Revista de Filosofia

da Região Amazônica, V. 3, N. 1, 2016, pp. 198-207.

GULLAR, Ferreira. Poemas Escolhidos. São Paulo: Ediouro, 1989.

______. Na vertigem do dia. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

LEMINSKI, Paulo. Toda Poesia. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

KANT, Immanuel. Resposta à pergunta: o que é o Iluminismo. In: A paz perpétua e

outros opúsculos. Trad. Artur Mourão. Lisboa: Edições 70, 1990.

MELVILLE, Herman. Bartleby, o escriturário. Trad. Irene Hirsch, São Paulo: Cosac

Naif, 2005.

SPINOZA, Baruch. Ética. Trad. Tomaz Tadeu. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.