O duplo sem fim: a escrita em queda de Rodrigo de Souza Leão

Aline Leal Fernandes Barbosa

Resumo


Rodrigo de Souza Leão (1965-2009) tematizou em sua obra sua própria relação com a esquizofrenia, doença da qual era portador. Em uma escrita com traços fortemente autobiográficos, encontramos tanto a autoridade do testemunho como a desconfiança desta fala na contracorrente do discurso da razão. Além disso, trata-se uma escrita inserida em um “rótulo” já codificado por outros escritos de loucos, avançando junto ao público certas modalidades de recepção. No âmbito deste artigo, pretendemos problematizar a loucura como chave de leitura ao pensar a escrita como prática que desloca os limites desta categoria, em um atravessamento de vozes, que é mais de errância do que de sedimentação.

Texto completo:

PDF

Referências


ARTAUD, Antonin. Van Gogh: o suicidado da sociedade. Trad. Ferreira Gullar. Rio de Janeiro: José Olympio, 2003.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O Anti-édipo: capitalismo e esquizofrenia 1. Trad. Luiz Orlandi. São Paulo: Editora 34, 2010.

DERRIDA, Jacques. A escritura e a diferença. Trad. Maria Beatriz Marques. São Paulo: Editora Perspectiva, 1995.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural do Collège de France. Trad. Laura Sampaio. São Paulo: Edições Loyola, 2000.

LEÃO, Rodrigo de Souza. Há flores na pele. João Pessoa: Editora Trema, 2001.

______. Todos os cachorros são azuis. Rio de Janeiro: Editora 7Letras, 2008.

______. Me roubaram uns dias contados. Rio de Janeiro: Editora Record, 2012.

______. O Esquizoide – o coração na boca. Rio de Janeiro: Editora Record, 2012.

______. Carbono Pautado. Rio de Janeiro: Editora Record, 2012.

______. Blog Lowcura. Disponível em: . Acesso em: 23 jul. 2017.

LISPECTOR, Clarice. A paixão segundo G.H. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

NIETZSCHE, Friedrich. Aurora: reflexões sobre os preconceitos morais. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.