Considerações sobre a causação descendente: um problema difícil

Daniel Luporini de Faria, Helena da Silva Souza

Resumo


No presente artigo pretendemos avaliar criticamente o difícil problema da causação descendente. Mediante análise das propostas filosóficas de resolução do problema oferecidas por Kim, Searle, Davidson e Bunge, argumentaremos que pouco se avançou no que tange ao problema de que a mente poderia causar alterações no plano físico da realidade. Dito isso, pensamos que uma possível resposta ao problema poderia vir das neurociências, em especial, dos experimentos de Benjamim Libet, que sugere que antes de todo evento dito mental, uma enxurrada de atividades cerebrais acontecem, e que não seriam provocadas por eventos mentais.


Texto completo:

PDF

Referências


Referências

ALVAREZ, B. M. E. Organização, sistema e métodos. São Paulo: Mcgraw - Hill, 1990.

ARISTÓTELES, Ética à Nicômaco. Livro 6, 1139a 31-3. Apud Heil e Mele (eds) Mental Causation. Clarendon Press, 1993.

BERKELEY, G. Tratado sobre os princípios do conhecimento humano. São Paulo: Abril Cultural, 1974.

BLOCK, N. What is functionalism? In: ______. (Org.). Readings in philosophy of psychology. Cambridge: Harvard University Press, 1980. p. 171-184.

BUNGE, T. Mind-body causation and explanation. In: HEIL, J. and MELE, A. adt. Mental causation. Oxford, Clarendon Press, 1995.

BUNGE, M. Causalidad: el principio de La ciência em La filosofia moderna. Buenos Aires: Eudeba, 1961.

DAVIDSON, D. Mental events. In: Beakley, B. e Ludlow, P. eds. The philosophy of mind: classical problems/contemporary issues. Cambridge, Mass.: MIT Press, 1970, p. 137-149.

DESCARTES, R. Meditações. In: ______. Discurso do método. Meditações. Objeções e respostas. As paixões da alma. Cartas. Tradução de J. Guinsburg e Bento Prado Júnior. São Paulo: Abril Cultural, 1973. p. 91-150. (Os Pensadores).

FODOR, J. A. Psychosemantics: the problem of meaning in philosophy of mind. Cambridge, Mass: MIT Press, 1987.

HEMPELL, C. Aspects os scientific explanations. NY: Free Press, segunda edição, 1966.

HORGAN, T. Kim on mental causation and causal exclusion. Philosophical perspectives, 11, 1997.

JACKSON, F. What Mary didn’t know. Journal of philosophy. v. 83, p. 291-295, 1986.

KALLESTRUP, J. The causal exclusion argument. Forthcoming in: Philosophical Studies (2012). Artigo obtido in: http://www.philosophy.ed.ac.uk/people/Kallestrup/CausalExclusion.pdf (no dia 27/11/2012 às 15h34min).

KIM. J, Supervenience as a philosophical concept. Metaphilosophy. 1. 1-27, 1990.

KIM, J. Mind in a physical world. Cambridge MA: The MIT Press, 1998.

LIBET, B. The neural time factor in conscious and unconscious events. In: Experimental and theoretical studies os consciousness. N. Y.: Wiley, 1993 (Ciba Foundation Symposium, 174).

LIBET, B. Unconscious cerebral initiative and the role of conscious will. In: voluntary action. Behavioural Brain Sciences, n 8, 529-566, 1985.

LOEWER. B. M. From information to intentionality. Synthese 70 (February), 1987, p. 287-317.

LYCAN, W. G. Mind and cognition. Oxford: Basil Blackwell, 1990.

PORTA, M., A filosofia a partir de seus problemas, São Paulo: Loyola, 2002, p. 15

SEARLE, J. R. Mente, cérebro e ciência. Lisboa: Edições 70, 1984.

SEARLE, J. R. A redescoberta da mente. Tradução Eduardo Pereira e Ferreira. São Paulo: Martins Fontes, 1997. 379 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.