Conceito de Abdução: Modalidades de Raciocínio contidas no Sistema Lógico Peirceano

Tiziana Cocchieri

Resumo


Neste trabalho, apresentamos o conceito de raciocínio abdutivo como uma das três principais formas de inferência lógica descrita por C. P. Peirce, descrito em sua filosofia pragmática. Dentro da relação de abdução, criatividade e construção de sentidos, abdução pode ser entendido como o tipo de raciocínio que culmina em uma assimilação temporária de uma hipótese explicativa, que detém os procedimentos conjunturais; ou seja, a abdução é a operação lógica que pode introduzir novas ideias. No caso das outras inferências lógicas, a saber, dedução e indução, não há nenhum processo criativo, para qualquer coisa que se possa saber já está pressuposto nas premissas, como uma questão de necessidade ou de probabilidade, respectivamente. Em outras palavras, a abdução é a única forma inferencial que faz com que a aquisição de novo conhecimento seja possível.


Texto completo:

PDF

Referências


MORAES, L. & QUEIROZ, J. (2001). “Grafos existenciais de C.S.Peirce: uma introdução ao sistema Alfa.” Cognitio 2, 112-133.

MOTA, O.S. & HEGENBERG, L. (1972). “Introdução”. In: Peirce, C.S. Semiótica e Filosofia. São Paulo: Cultrix.

NÖTH, W. (1995). Panorama da semiótica: de Platão a Peirce. São Paulo: Annablume.

NOTH, W. (1996). A Semiótica no Século XX. São paulo: Annablume.

PEIRCE, C. S. (1935,1958). Collected Papers of Charles Sanders Peirce. Hartshorne, Weiss & Burks. Cambridge: Harvard Univ. Press.

PEIRCE, C.S. (1989). Escritos Coligidos. (Seleção Armando Mora D’Oliveira; trad. Armando Mora D’Oliveira e Sérgio Pomerangblum.) São Paulo: Nova Cultural. (Coleção Os Pensadores).

PEIRCE, C.S. (1972). Semiótica e Filosofia. São Paulo: Cultrix.

QUEIROZ, J. (2002). “Sobre o modelo triádico de representação de Charles S. Peirce”, in Labirintos do pensamento Contemporâneo. (Ed.) Lúcia Leão. Editora Iluminuras. pp. 289-298.

RANSDELL, J. (1983). Peircean Semiotic. Texas: Texas Tech Univ. (Dpt. of Philosophy), Lubbock. [mímeo.]

SANTAELLA, L. (1996). Produção de Linguagem e Ideologia. 2.ed. São Paulo: Cortez.

SILVEIRA, L.F.B. (2001). “Diagramas e hábitos: interação entre diagrama e hábito na concepção peirciana de conhecimento”. In: Gonazales, M.E.Q., Del-Masso, M.C. S. & Piqueira, J.R.C. (orgs.). Encontro com as Ciências Cognitivas. São Paulo, Marília: Unesp-Marília Publicações e Cultura Acadêmica.

TELLES, G.J. (1980). Tratado da conseqüência: curso de lógica formal. 5.ed.. São Paulo: José Bushatsky.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.